Anúncios

Sociedade – Religião – Caminho à Deus, ou jogo de interesses?


Quando somos pequenos, questionamos quase tudo, mas ao perguntarmos à nossa mãe quem criou Deus, ou se Adão foi mesmo criado do barro, geralmente somos retaliados. Quase sempre crescemos com a informação de que não podemos questionar “O Sagrado”. Até que ponto isso é saudável? Tornamos-nos marionetes nas mãos daqueles que possuem privilégios religiosos? É errado questionar? Munido dessas questões fui à pesquisa para saciar a sede de respostas.

A Procura

Ao acessar o Blog no Danilo Gentili, Repórter do CQC, li a matéria Perdoai a Minha Ignorância que me despertou a lembrança de quantos sofreram por conflitos religiosos, quanto ainda é discutido sobre o assunto, e o quanto as pessoas ainda têm que aprender sobre Deus. Lendo os comentários dessa matéria do Danilo, vi a opinião da Gisele que traduz parcialmente a minha:

Quando os “conhecedores” da Bíblia vão realmente segui-la? Parece que lêem, mas ainda não conseguem interpretá-la… Então sugiro que voltem pra escola… Deus não deixou religião, deixou suas palavras e ensinamentos sobre igreja, mas a igreja a que Deus se refere na Bíblia nada mais é do que um grupo de pessoas reunidas para proclamar seu nome! O erro das pessoas de hoje é exatamente “serem religiosos”… Quando se preocupam com uma brincadeira assim (referindo á brincadeira que Danilo Gentili fez a respeito da religião) é porque deixaram de fazer o propósito que tinham “de seguir a Deus” e começaram a seguir uma placa de igreja, um homem. Sentem como se um padre ou pastor tivesse mais liberdade ou moral do que eles pra falar com Deus, e o padre ou pastor por sua vez, se sente como aquele que está sentado à direita de Deus, sentem-se o próprio Deus!(…)

As pessoas que são contra as religiões defendem que elas trazem mais destruição e mais guerra do que paz, e que o mundo seria muito melhor sem elas. Há uma certa razão nisso, pois os conflitos religiosos atravessam séculos e continentes, deixando na “estrada” mortos e miseráveis. Mas o que acontece de errado? Quem segue a um Deus perfeito não pode “se dar o luxo” de cometer esses pecados.

O Problema

O grande problema é que as pessoas trocam o “Divino” pelo “Humano”, como a Gisele falou, a maioria dos religiosos segue a bandeira de uma religião, e não de um Deus. Se seguissem um Deus de amor, perceberiam que onde existe o amor Deus está lá, independente de religião, sexualidade, partido político e condição social. Existem muitas discussões a respeito de adorar imagens ou não, de céu e do inferno, de salvação e de apocalipse, mas esquece-se da honestidade no dia-a-dia, de respeitar as diferenças, de pensar no futuro do planeta e de ajudar os mais necessitados. Somos envoltos no nosso mundo egoísta, onde só a nossa opinião e a opinião dos nossos que vale, e quem não se adequar simplesmente é excluído do círculo de salvação.

Os Aproveitadores

Não sei se você já percebeu, mas geralmente, as religiões se dizem a “certa”, que só será salvo quem se “converter”, mas por que isso acontece? Eu tenho pra mim que Jesus disse que o único e verdadeiro mandamento era: “Amar a Deus acima de todas as coisas, e ao próximo como a ti mesmo”, ele não falou nada sobre a religião certa a seguir. As pessoas que coordenam as grandes instituições estão altamente interessadas na quantidade de pessoas em suas igrejas. Pois, enquanto maior o número de fiéis, maior é a renda para a igreja, afinal, eles têm que pagar os salários dos “missionários” e todas as grandes construções e seus palácios. Enquanto você briga com as pessoas para provar que sua religião é a certa, pessoas se apossam de verbas que poderiam beneficiar a população mais necessitada e carente.

O Segredo

O segredo é questionar tudo, até nossos próprios pensamentos. Se um casal homossexual vive em amor e respeita e ajuda o próximo, por que Deus os condenaria? Se eu sou de outra religião, que a sua não aceita, mas vivo honestamente, sou um bom pai e ajudo pessoas necessitadas, por que Deus me condenaria? Se Deus é amor, o maior presente que podemos dar a ele é amando o próximo, o seu filho, mesmo que não tenha motivos aparente para isso. Amando o próximo estaremos amando a ele, mesmo se não acreditarmos na existência de Deus e nem evocarmos seu nome, ainda sim, o amaremos se praticarmos o amor ao próximo. Se uma pessoa não concorda comigo, ou com você, é o direito dela, lembre-se que devemos Julgar ações e não pessoas.

 

OBS: Esse Post está em Construção. Aceitamos sugestões.

Anúncios
Categorias: Papo Sério, Sociedade | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: