Anúncios

Biografia – Alfred Nobel


O conjunto de prêmios mais famoso do mundo é o Prêmio Nobel. Concedido para a mais destacada realização nas áreas de literatura, paz, economia, medicina e ciências, eles foram criados há um século por Alfred B. Nobel (1833-1896), um homem que fez fortuna produzindo explosivos; entre outras coisas, Nobel inventou a dinamite.

O que motivou este sueco fabricante de munições a dedicar sua fortuna a homenagear e recompensar aqueles que beneficiaram a humanidade?


A imortalidade não está no tempo que você viveu, mas sim em como você viveu.

A criação dos Prêmios Nobel ocorreu por um acaso. Quando faleceu o irmão de Nobel, um jornal publicou um longo obituário de Alfred Nobel, por engano, acreditando que fora ele a falecer. Assim, Nobel teve uma oportunidade concedida a poucas pessoas: ler seu próprio obituário ainda em vida. Aquilo que ele leu o horrorizou: o jornal o descreveu como um homem que tornara possível matar mais pessoas, mais rapidamente, que qualquer outro que jamais tinha vivido.

Naquele momento, Nobel percebeu duas coisas: que ele seria lembrado daquela maneira, e que não era assim que ele desejava ser lembrado. Pouco depois, ele estabeleceu os prêmios. Hoje, devido ao que ele fez, todos estão familiarizados com o Prêmio Nobel, ao passo que relativamente poucos sabem como ele construiu sua fortuna. O personagem de Shakespeare, Marco Antônio, estava errado: o bem que fazemos permanece vivo depois que deixamos este mundo. Para a maioria de nós, é o legado mais importante que deixamos para trás.

Pensar sobre como seria o próprio obituário pode motivar alguém a repensar como está passando sua vida. Nenhum panegírico jamais disse como a pessoa se vestiu bem, viveu de maneira extravagante, teve férias fabulosas, dirigiu um carro caríssimo, ou construiu a casa mais luxuosa. Nunca ouvi alguém sendo elogiado por ser tão ocupado no trabalho que não achava tempo para estar com os filhos. Um telefonema para alguém que está solitário; um ouvido atento a uma pessoa com problemas; longas caminhadas com nossos filhos, dizer muito obrigado ao cônjuge e a D’us, cumprir mitsvot (atos de bondade e santidade) – estes são a própria essência da vida!
As pessoas mais pranteadas não são as mais ricas ou mais famosas, ou as mais bem-sucedidas. São as pessoas que enriqueceram a vida de outros. Foram bondosas. Foram carinhosas. Tinham um senso de responsabilidade. Sempre que podiam, doavam a causas de caridade. Se não podiam dar dinheiro, davam seu tempo. Eram amigos leais e membros engajados na comunidade. Foram pessoas com as quais se podia contar.

Há uma bonita história sobre o notável anglo-judeu vitoriano, Sir Moses Montefiore. Ele foi uma das figuras mais destacadas no século dezenove. Amigo da Rainha Vitória e feito cavaleiro por ela, ele se tornou o primeiro judeu a atingir um alto posto na cidade de Londres. Sua filantropia se estendia da mesma forma a judeus e a não-judeus, e em seu centésimo aniversário, o jornal London Times devotou editoriais para elogiá-lo. “Ele demonstrou” – disse o Times – “que o ardente Judaísmo e patriótica cidadania são absolutamente consistentes um com o outro.”

Uma reflexão foi especialmente tocante: Alguém lhe perguntou: “Sir Moses, qual é o seu valor?” Moses pensou por um instante e declarou um número. “Mas certamente” – disse o questionador – “sua riqueza deve ser muito maior que isso.” Com um sorriso, Sir Moses respondeu: “Você não perguntou quanto eu possuo. Perguntou quanto eu valho. Portanto, calculei quanto eu doei para caridade este ano.”

“Veja” – continuou ele – “você vale aquilo que está disposto a partilhar com os outros.”
Em 1798, o grande líder chassídico, Rabi Shneur Zalman de Liadi, foi preso por divulgar a fé religiosa (considerado ato de subversão) entre a população judaica. Enquanto ele estava na prisão aguardando julgamento, o carcereiro, certo de estar na presença de um homem sagrado, fez-lhe uma pergunta que há muito o atormentava: “Lemos no Livro de Bereshit que quando Adam e Eva pecaram, eles se esconderam entre as árvores no Jardim do Éden, e D’us os chamou: ‘Onde estão vocês?’ O que desejo saber é isto: Se D’us sabe e vê tudo, certamente sabia onde eles estavam. Por que Ele precisou perguntar ‘Onde estão vocês?’”

O Rebe respondeu: “As palavras da Torá não falavam apenas sobre aquele momento, mas por todo o tempo. Assim é com a pergunta que D’us fez a Adam e Eva. Não era dirigida apenas a eles, mas a cada um de nós em toda geração. Nós desperdiçamos nossos dias e noites com objetivos temporários, artificiais; somos consumidos pela auto-preservação e nossos prazeres, acreditamos que podemos nos esconder das conseqüências. Porém sempre, depois que perdemos nosso rumo, ouvimos a voz de D’us em nosso coração, perguntando: Onde está você?

O que fez com a sua vida? Eu lhe dei uma certa quantidade de anos; como você os está usando?”
No romance de Herman Wouk sobre a Segunda Guerra Mundial, O Motim do Caine, o personagem principal está servindo na Marinha quando recebe uma carta do pai, que está para morrer de câncer. Refletindo sobre a própria vida, na qual ele conseguiu muito menos do que tinha sonhado quando jovem, ele adverte o filho: “Lembre-se disso: Não há nada, nada, nada mais precioso que o tempo. Você provavelmente sente que tem um suprimento interminável, mas não tem. Horas desperdiçadas destroem sua vida tanto no início quanto no fim, só que no fim isso fica mais óbvio.”

Deus decide quanto tempo vai durar nosso capítulo na terra; cabe a nós tornar cada parágrafo e cada frase com um sentido. A imortalidade não está no tempo que você viveu, mas sim em como você viveu. Todo dia é um presente de D’us, e devemos usá-lo plenamente – para celebrar a vida e nos tornarmos uma bênção para os que nos cercam.

Se, Deus não o permita, você tivesse de deixar este mundo amanhã, o que diria o seu obituário? Aquilo realmente que você gostaria que ele dissesse.

Fonte:

Anúncios
Categorias: Biografia, Ciência, Física, História, Pesquisas, Química | Tags: , , , , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: